NOTÍCIAS

Plataforma flutuante de exploração de gás natural chega a Moçambique

Uma plataforma flutuante de exploração de gás natural liquefeito, fabricada na Coreia do Sul, chegou à costa do norte de Moçambique, onde irá ser colocada no campo de Coral, na Bacia do Rovuma, avançou a Lusa.

O Instituto Nacional de Petróleos (INP) de Moçambique disse na segunda-feira que está a decorrer o processo de certificação do heliporto da plataforma, para permitir o transporte das equipas de apoio e trabalho.

A chegada da plataforma está “em conformidade com o cronograma aprovado pelo Governo de Moçambique (…), prevendo-se que o início da produção ocorra até meados de 2022”, acrescentou o INP, num comunicado.

Segundo a agência noticiosa portuguesa, o consórcio responsável pelo projecto inclui a petrolífera estatal chinesa China National Petroleum Corp, a empresa portuguesa Galp Energia S.A. e a petrolífera estatal moçambicana Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, entre outros parceiros.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/plataforma-flutuante-de-exploracao-de-gas-natural-chega-a-mocambique/

Exportações lusófonas para Macau sobem nos primeiros 11 meses de 2021

Macau importou mercadorias no valor de 643,3 milhões de patacas (US$80,1 milhões) dos Países de Língua Portuguesa nos primeiros 11 meses de 2021, mais 3,2 por cento do que em igual período do ano anterior.

Segundo dados oficiais divulgados na semana passada pela Direcção dos Serviços de Estatística e Censos de Macau, o Brasil foi o principal fornecedor de língua portuguesa, exportando produtos para a cidade no valor de 401 milhões de patacas.

A esmagadora maioria (360,9 milhões de patacas) dessa mercadoria correspondeu a carne e miudezas.

O segundo lugar na lista dos parceiros comerciais lusófonos coube a Portugal, que exportou produtos no valor de 242 milhões de patacas para Macau, sendo que a maior fatia (98,8 milhões de patacas) correspondeu a vestuário e acessórios.

Por outro lado, Macau exportou mercadorias no valor de 6 milhões de patacas para os Países de Língua Portuguesa nos primeiros 11 meses de 2021, com produtos no valor de 2 milhões de patacas a seguirem para Portugal.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/exportacoes-lusofonas-para-macau-sobem-nos-primeiros-11-meses-de-2021/

Politécnico de Macau promove concerto sino-lusófono para estimular intercâmbio cultural

O Instituto Politécnico de Macau (IPM) promoveu no mês passado um concerto de estudantes de universidades do Interior da China e de Países de Língua Portuguesa, no âmbito das comemorações do 40.º aniversário do instituto.

O concerto incluiu actuações ao vivo de estudantes do IPM e actuações online de estudantes em universidades lusófonas e em universidades chinesas, incluindo da região da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

Segundo o Macao Daily, o concerto contou com a participação de estudantes da Universidade Normal de Pequim, do Instituto Politécnico de Leiria, em Portugal, da Universidade do Vale do Taquari, no Brasil, e da Universidade de Cabo Verde.

O concerto, realizado no Auditório do IPM, foi transmitido através da Internet para os países e territórios de língua portuguesa e para a Grande Baía, avançou o jornal local de língua chinesa.

O evento teve como objectivo promover o intercâmbio entre a China e os Países de Língua Portuguesa nas áreas do ensino superior e cultura, reforçando ainda o conhecimento dos estudantes lusófonos sobre a Grande Baía.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/politecnico-de-macau-promove-concerto-sino-lusofono-para-estimular-intercambio-cultural/

Micro-documentários chineses lançados em África

O Gabinete de Informação do Governo do Município de Pequim anunciou o lançamento em África, na terça-feira, da quarta temporada da série de micro-documentários “365 Histórias do Sonho Chinês”, em inglês, francês e português.

Segundo um comunicado, os 100 episódios estão já disponíveis em plataformas de televisão digital e na Internet, acessíveis a 14 milhões de telespectadores e 28 milhões de utilizadores de telemóveis, em 32 países africanos, incluindo Moçambique.

Cada episódio, com uma duração de cerca de três minutos, vai abordar o dia-a-dia e a história de vida de chineses, para ajudar os africanos a conhecer melhor a vida e a cultura da China, sublinhou o Gabinete.

O Gabinete de Informação do Governo do Município de Pequim produziu a quarta temporada da série “365 Histórias do Sonho Chinês”, cuja primeira temporada estreou em 2013.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/micro-documentarios-chineses-lancados-em-africa/

China quer Macau a trabalhar com países lusófonos em “Uma Faixa, Uma Rota”

O Director-Adjunto da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, Ning Jizhe, apelou a Macau para reforçar a cooperação com os Países de Língua Portuguesa na construção da iniciativa chinesa “Uma Faixa, Uma Rota”.

Segundo o Gabinete do Secretário para a Economia e Finanças de Macau, Ning Jizhe recordou que o 14.º Plano Quinquenal da China menciona expressamente o papel da cidade na construção da economia moderna chinesa e na abertura do país.

Ning Jizhe falava durante a terceira reunião conjunta entre oficiais da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma e do Governo de Macau sobre “Uma Faixa, Uma Rota”, realizada através de videoconferência, na terça-feira.

De acordo com um comunicado divulgado na quarta-feira, o Secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, disse na reunião que Macau quer tornar-se um centro de intercâmbio cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/china-quer-macau-a-trabalhar-com-paises-lusofonos-em-uma-faixa-uma-rota/

Empreiteiro chinês lança doações para apoiar moçambicanos durante pandemia

O empreiteiro estatal chinês Power Construction Corporation (PowerChina) anunciou uma séria de doações em Maputo e Nacala, este mês, para ajudar os moçambicanos durante a pandemia da COVID-19.

O grupo chinês doou artigos domésticos, e material médico, escolar e de escritório a comunidades, escolas e instituições públicas moçambicanas, para ajudar as populações e criar um ambiente de ensino mais seguro.

Segundo um comunicado divulgado na semana passada, um consultor do PowerChina disse que o grupo chinês tem, simultaneamente, sido activo na prevenção de surtos da COVID-19 e mantido o ritmo de construção de um projecto na capital moçambicana.

De acordo com o comunicado, Wang Cunping, líder de um projecto do PowerChina na cidade de Nacala, no norte de Moçambique, disse que o empreiteiro reconhece a grande importância da tradicional amizade entre a China e África.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/empreiteiro-chines-lanca-doacoes-para-apoiar-mocambicanos-durante-pandemia/

Grupo chinês constrói porto de águas profundas no sul de Moçambique

A empresa moçambicana de logística Mozambique STT e o grupo estatal chinês PowerChina Hubei Engineering Co. Ltd. assinaram este mês um acordo no valor de US$324 milhões para a construção de um porto de águas profundas.

Os trabalhos do porto de Chongoene, na província de Gaza, no sul de Moçambique, deverão começar em Janeiro, após a conclusão de estudos de engenharia e de impacto ambiental. O projecto deve estar concluído em Junho de 2025.

Segundo a agência noticiosa estatal moçambicana AIM, a principal missão do porto será escoar minério, tendo capacidade para processar 150 milhões de toneladas de carga por ano.

O porto será um componente essencial do Corredor de Desenvolvimento de Chongoene, um projecto no valor de US$700 milhões, que irá incluir uma linha de caminhos-de-ferro com 221 quilómetros até Chicualacuala, na fronteira com o Zimbabué, e uma oura linha até à província de Inhambane.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/grupo-chines-constroi-porto-de-aguas-profundas-no-sul-de-mocambique/

Promoção de produtos lusófonos em Macau conquista expositores, visitantes

Expositores e visitantes elogiaram uma série de actividades, lançada pelo Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM), para promover produtos característicos locais e dos Países de Língua Portuguesa.

A iniciativa arrancou a 20 de Novembro e inclui sessões em 10 fins-de-semana consecutivos no Centro de Exposição dos Produtos Alimentares dos Países de Língua Portuguesa, situado em Macau.

As actividades contam com a participação de 18 fabricantes ou agentes de café, vinho, alimentos enlatados, produtos de higiene pessoal, máscaras de protecção facial, calçado, produtos culturais e criativos, e produtos de aromaterapia.

Segundo o jornal Macao Daily News, alguns dos expositores disseram que têm tido sucesso na promoção das suas marcas e produtos através do Centro de Exposição de Produtos de Macau – “Macao Ideas” – e o Portal para a Cooperação na Área Económica, Comercial e de Recursos Humanos entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Os visitantes demonstraram esperança na realização, no futuro, de mais actividades para promover produtos lusófonos que raramente são vistos em Macau, referiu o jornal local de língua chinesa.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/promocao-de-produtos-lusofonos-em-macau-conquista-expositores-visitantes/

NOTÍCIAS

Uma plataforma flutuante de exploração de gás natural liquefeito, fabricada na Coreia do Sul, chegou à costa do norte de Moçambique, onde irá ser colocada no campo de Coral, na Bacia do Rovuma, avançou a Lusa.

O Instituto Nacional de Petróleos (INP) de Moçambique disse na segunda-feira que está a decorrer o processo de certificação do heliporto da plataforma, para permitir o transporte das equipas de apoio e trabalho.

A chegada da plataforma está “em conformidade com o cronograma aprovado pelo Governo de Moçambique (…), prevendo-se que o início da produção ocorra até meados de 2022”, acrescentou o INP, num comunicado.

Segundo a agência noticiosa portuguesa, o consórcio responsável pelo projecto inclui a petrolífera estatal chinesa China National Petroleum Corp, a empresa portuguesa Galp Energia S.A. e a petrolífera estatal moçambicana Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, entre outros parceiros.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/plataforma-flutuante-de-exploracao-de-gas-natural-chega-a-mocambique/

Macau importou mercadorias no valor de 643,3 milhões de patacas (US$80,1 milhões) dos Países de Língua Portuguesa nos primeiros 11 meses de 2021, mais 3,2 por cento do que em igual período do ano anterior.

Segundo dados oficiais divulgados na semana passada pela Direcção dos Serviços de Estatística e Censos de Macau, o Brasil foi o principal fornecedor de língua portuguesa, exportando produtos para a cidade no valor de 401 milhões de patacas.

A esmagadora maioria (360,9 milhões de patacas) dessa mercadoria correspondeu a carne e miudezas.

O segundo lugar na lista dos parceiros comerciais lusófonos coube a Portugal, que exportou produtos no valor de 242 milhões de patacas para Macau, sendo que a maior fatia (98,8 milhões de patacas) correspondeu a vestuário e acessórios.

Por outro lado, Macau exportou mercadorias no valor de 6 milhões de patacas para os Países de Língua Portuguesa nos primeiros 11 meses de 2021, com produtos no valor de 2 milhões de patacas a seguirem para Portugal.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/exportacoes-lusofonas-para-macau-sobem-nos-primeiros-11-meses-de-2021/

O Instituto Politécnico de Macau (IPM) promoveu no mês passado um concerto de estudantes de universidades do Interior da China e de Países de Língua Portuguesa, no âmbito das comemorações do 40.º aniversário do instituto.

O concerto incluiu actuações ao vivo de estudantes do IPM e actuações online de estudantes em universidades lusófonas e em universidades chinesas, incluindo da região da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

Segundo o Macao Daily, o concerto contou com a participação de estudantes da Universidade Normal de Pequim, do Instituto Politécnico de Leiria, em Portugal, da Universidade do Vale do Taquari, no Brasil, e da Universidade de Cabo Verde.

O concerto, realizado no Auditório do IPM, foi transmitido através da Internet para os países e territórios de língua portuguesa e para a Grande Baía, avançou o jornal local de língua chinesa.

O evento teve como objectivo promover o intercâmbio entre a China e os Países de Língua Portuguesa nas áreas do ensino superior e cultura, reforçando ainda o conhecimento dos estudantes lusófonos sobre a Grande Baía.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/politecnico-de-macau-promove-concerto-sino-lusofono-para-estimular-intercambio-cultural/

O Gabinete de Informação do Governo do Município de Pequim anunciou o lançamento em África, na terça-feira, da quarta temporada da série de micro-documentários “365 Histórias do Sonho Chinês”, em inglês, francês e português.

Segundo um comunicado, os 100 episódios estão já disponíveis em plataformas de televisão digital e na Internet, acessíveis a 14 milhões de telespectadores e 28 milhões de utilizadores de telemóveis, em 32 países africanos, incluindo Moçambique.

Cada episódio, com uma duração de cerca de três minutos, vai abordar o dia-a-dia e a história de vida de chineses, para ajudar os africanos a conhecer melhor a vida e a cultura da China, sublinhou o Gabinete.

O Gabinete de Informação do Governo do Município de Pequim produziu a quarta temporada da série “365 Histórias do Sonho Chinês”, cuja primeira temporada estreou em 2013.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/micro-documentarios-chineses-lancados-em-africa/

O Director-Adjunto da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, Ning Jizhe, apelou a Macau para reforçar a cooperação com os Países de Língua Portuguesa na construção da iniciativa chinesa “Uma Faixa, Uma Rota”.

Segundo o Gabinete do Secretário para a Economia e Finanças de Macau, Ning Jizhe recordou que o 14.º Plano Quinquenal da China menciona expressamente o papel da cidade na construção da economia moderna chinesa e na abertura do país.

Ning Jizhe falava durante a terceira reunião conjunta entre oficiais da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma e do Governo de Macau sobre “Uma Faixa, Uma Rota”, realizada através de videoconferência, na terça-feira.

De acordo com um comunicado divulgado na quarta-feira, o Secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, disse na reunião que Macau quer tornar-se um centro de intercâmbio cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/china-quer-macau-a-trabalhar-com-paises-lusofonos-em-uma-faixa-uma-rota/

O empreiteiro estatal chinês Power Construction Corporation (PowerChina) anunciou uma séria de doações em Maputo e Nacala, este mês, para ajudar os moçambicanos durante a pandemia da COVID-19.

O grupo chinês doou artigos domésticos, e material médico, escolar e de escritório a comunidades, escolas e instituições públicas moçambicanas, para ajudar as populações e criar um ambiente de ensino mais seguro.

Segundo um comunicado divulgado na semana passada, um consultor do PowerChina disse que o grupo chinês tem, simultaneamente, sido activo na prevenção de surtos da COVID-19 e mantido o ritmo de construção de um projecto na capital moçambicana.

De acordo com o comunicado, Wang Cunping, líder de um projecto do PowerChina na cidade de Nacala, no norte de Moçambique, disse que o empreiteiro reconhece a grande importância da tradicional amizade entre a China e África.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/empreiteiro-chines-lanca-doacoes-para-apoiar-mocambicanos-durante-pandemia/

A empresa moçambicana de logística Mozambique STT e o grupo estatal chinês PowerChina Hubei Engineering Co. Ltd. assinaram este mês um acordo no valor de US$324 milhões para a construção de um porto de águas profundas.

Os trabalhos do porto de Chongoene, na província de Gaza, no sul de Moçambique, deverão começar em Janeiro, após a conclusão de estudos de engenharia e de impacto ambiental. O projecto deve estar concluído em Junho de 2025.

Segundo a agência noticiosa estatal moçambicana AIM, a principal missão do porto será escoar minério, tendo capacidade para processar 150 milhões de toneladas de carga por ano.

O porto será um componente essencial do Corredor de Desenvolvimento de Chongoene, um projecto no valor de US$700 milhões, que irá incluir uma linha de caminhos-de-ferro com 221 quilómetros até Chicualacuala, na fronteira com o Zimbabué, e uma oura linha até à província de Inhambane.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/grupo-chines-constroi-porto-de-aguas-profundas-no-sul-de-mocambique/

Expositores e visitantes elogiaram uma série de actividades, lançada pelo Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM), para promover produtos característicos locais e dos Países de Língua Portuguesa.

A iniciativa arrancou a 20 de Novembro e inclui sessões em 10 fins-de-semana consecutivos no Centro de Exposição dos Produtos Alimentares dos Países de Língua Portuguesa, situado em Macau.

As actividades contam com a participação de 18 fabricantes ou agentes de café, vinho, alimentos enlatados, produtos de higiene pessoal, máscaras de protecção facial, calçado, produtos culturais e criativos, e produtos de aromaterapia.

Segundo o jornal Macao Daily News, alguns dos expositores disseram que têm tido sucesso na promoção das suas marcas e produtos através do Centro de Exposição de Produtos de Macau – “Macao Ideas” – e o Portal para a Cooperação na Área Económica, Comercial e de Recursos Humanos entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Os visitantes demonstraram esperança na realização, no futuro, de mais actividades para promover produtos lusófonos que raramente são vistos em Macau, referiu o jornal local de língua chinesa.

(Fonte) Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa:
https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/promocao-de-produtos-lusofonos-em-macau-conquista-expositores-visitantes/

rfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-slide